Raio X – Xavier Dolan

0

Para quem ainda não o conhece Xavier Dolan, é um ator e cineasta canadense, tem sido a grande revelação dos últimos tempos do cinema contemporâneo, com apenas 26 anos já produziu vários filmes e mais recentemente foi o diretor escolhido por Adele para seu novo clipe “Hello”, que bateu todos os recordes de visualizações nesta última semana.

Nascido em um subúrbio de Quebec, Dolan demonstra um olhar diferente sobre a vida, homossexual assumido, sempre gostou de abordar temas que envolvam relações conturbadas, conflitos familiares e muitas vezes baseados em alguma situação que já viveu. Além disso, também rouba a cena como ator, sendo muito elogiado por suas atuações sinceras. Conquistou maior projeção quando atuou pela primeira vez como roteirista e diretor no filme “Eu matei a minha mãe” no qual recebeu vários prêmios, inclusive no Festival de Cannes em 2009.

Dolan não produz filmes comerciais, sendo assim conquista reverência de alguns e o desprezo de outros, mas demonstra incontestável competência e apuro visual em seus trabalhos, fazendo com que grandes nomes de Hollywood se rendam aos seus trabalhos. As oscarizadas Susan Sarandon e Kathy Bates também estarão no elenco do seu primeiro filme em inglês.

Conhecido por alguns excessos, criando embates de muita energia, tem também uma grande necessidade de ilustrar suas cenas com canções, tendo como outro ponto alto o cuidado com a trilha sonora, por exemplo, em “Mommy”, onde a trilha transita desde Céline Dion até Oásis e Andréa Bocelli.

Convido os leitores a assistirem aos filmes de Dolan, abaixo confiram o trailer de “Mommy” e logo após aproveitem para ouvir mais uma vez o sucesso “Hello” dirigido por ele:


Um fato bem curioso no vídeo dirigido por Dolan, deixou os fãs se questionando o porquê Adele usa um celular de “flip” em pleno ano de 2015, ao ser questionado sobre o fato ele respondeu da seguinte forma: “Eu não gosto de filmar telefones ou carros modernos. Eles estão tão implantados em nossas vidas e quando você os vê em filmes acaba lembrado que está na realidade. Se você vê um iPhone ou um Toyota em um filme, eles quebram a narrativa, arrancam você para fora da história. Se eu colocar um iPhone ou um carro moderno em um filme vai sentir como se eu estivesse fazendo um comercial“.

Compartilhe.

Sobre o Autor

Carioca, apaixonado por viagens, fotografia, cinema e tudo que envolve arte.

Leave A Reply