Pré Fashion Weeks: Quem são os estilistas responsáveis pelas marcas da MFW?

0

Contagem regressiva – de horas – para o incio da semana de moda de Milão. A marcas italianas são as mais conhecidas por seus acabamentos impecáveis, sinais de identidade forte e coesão de tendências e estilo. Tenho certeza que você já ouvir falar sobre a Gucci, Fendi, Moschino, Roberto Cavalli e Emilio Pucci. Mas agora, volto a lhes fazer a nossa pergunta da temporada: vocês sabem quem são os estilistas responsáveis por elas? Não? Então fique sabendo mais sobre eles neste post.

alessandro

Em 1921, Guccio Gucci fundou sua casa Gucci, em Florença. O intuito da pequena loja era vender acessórios de viagens, feitos em couro de alta qualidade e produzidas de forma artesanal pela família. Em alguns anos os produtos da marca, que incluíam malas, baús de viagem, luvas, sapatos, cintos e a famosa bolsa com alça de bambu, seduziram com seu charme, elegância, excelência e ficaram reconhecidos entre uma clientela extremamente sofisticada. Intrigas entre a segunda geração da marca (filhos de Guccio) e um período de deteriorar no mercado de luxo no final dos anos 1980 a parte, a marca se reergueu em 1993, com a contratação de Tom Ford que passou a assinar  todas as coleções da Gucci em sua nova fase, cheia de sensualidade, que ficou ainda mais em evidência a partir de 2004, quando Frida Gianini assumiu a direção criativa.  Foi a mais retumbante volta por cima da moda internacional.

Em janeiro deste ano, Alessandro Michele foi escolhido como novo diretor criativo da Gucci. O designer estudou na Accademia di Costume e di Moda em Roma e foi designer sênior de acessórios da Fendi, onde trabalhou com Frida. Em 2002, ele se juntou à equipe de design da Gucci. Em sua estreia à frente da marca, na temporada de Inverno 2016, Alessandro fez um desfile divisor de águas, no qual a grife italiana rompeu de vez com seu passado. A imagem agora é menos super sexy e muito mais emocional e romântica, com um toque jovial e intelectual.

 

ROBETO

Roberto Cavalli fundou sua marca homônima nos anos 1960. Desde então ficou reconhecido por criar um sistema inovador de estampagem em couro, patchwork aplicado ao jeans, prints de animais, vestidos fluidos e seu glamour selvagem e estilo sexy.

Peter Dundas foi nomeado Diretor Criativo da Roberto Cavalli, em março passado e mostra sua primeira coleção à frente da marca nesta temporada. Peter se formou na Parsons em Nova York, e de lá foi pra Paris, onde se tornou assistente de Jean Paul Gaultier em 1992. Oito anos depois ele ocupou um cargo na Christian Lacroix. Em seguida assumiu a posição de chefe do time de design da Cavalli, entre 2002 e 2005, e mais tarde foi pra Emanuel Ungaro como diretor criativo da marca. Por fim, ficou sete anos na Emilio Pucci.

EMILIANO

 

Emilio Pucci começou fazendo roupas para si, posteriormente um traje de esqui para uma amiga e em 1948 lançou sua primeira coleção. Na segunda leva, as roupas já eram cheias de frescor, com modelagens livres da estrutura rígida da alta-costura francesa da época. Aos poucos, suas produções ficaram famosas por valorizar o corpo feminino, com muito conforto, fluidez, cores fortes e estampas abstratas e geométricas. Tudo muito descomplicado, porém sofisticado.

Desde de abril deste ano, o italiano Massimo Giorgetti assumiu o posto, deixado por Peter Dundas, de diretor criativo da Emilio Pucci. Sua primeira apresentação é nesta temporada, de Verão 2016. Aos 38 anos, Giorgetti é também diretor criativo da MSGM, marca fundada por ele em 2009. É famoso por suas estampas digitais, estilo cool, criatividade, abordagem fresca da moda e seu amor por cores. Resta esperar até o próximo sábado, para ver sua atuação.

KARL

Em 1925, o casal Adele e Edoardo Fendi abriram uma loja de produtos de couro e pele, em Roma, levando o sobrenome da família. Anos depois, as filhas do casal – Paola, Anna, Franca, Carla e Alda – chegaram a grife e propuseram que as pelas fossem trabalhadas com tecidos. Karl Lagerfeld entra para a Fendi como diretor criativo, em 1965, cargo que ocupa até hoje. Foi ele quem criou o logo composto por duplos F invertidos, que estamparam as bolsas da casa e fizeram dela um verdadeiro e disputado símbolo de status.

Karl Lagerfeld nasceu na cidade de Hamburgo, na Alemanha e aos 14 anos mudou-se para estudar em Paris. Apaixonado por moda e história da arte desde muito jovem, aprendeu a falar francês, italiano e inglês. Seu primeiro destaque no mundo da moda aconteceu em 1955, quando venceu uma competição de design com um casaco de lã, prêmio dado por um júri no qual estavam Pierri Cardin e Hubert Givenchy. Logo depois, tornou-se assistente de Pierre Balmain. Em 1965, depois de nove anos como freelancer, Karl Lagerfeld elevou-se a diretor criativo da Chloé (que deixou em 1983), ao mesmo tempo que foi convidado para colaborar com a Fendi. Em 1982, tornou-se diretor criativo da Chanel, acontecimento que acumulou alvoroço e opiniões controversas entre os críticos e entendidos na época. O fato é que Karl reergueu a Maison, criando e recriando o legado deixado por Coco. Em 1984, criou sua própria marca, que leva o seu nome.

É quase impossível encontrar uma definição ao Kaiser. Estilista, fotógrafo, realizador, ilustrador, figurinista, decorador, editor, guru de dietas e produtor compulsivo de criações marcantes. São 50 anos de Fendi, 33 de Chanel e 31 de sua marca homônima. Karl é talento e visão. Na moda, ele sabe enobrecer materiais simples e chocar a sociedade invertendo a lógica da estética do seu tempo.

JER

Franco Moschino lançou oficialmente sua marca MOSCHINO em 1983 e no ano seguinte já era apresentada a primeira coleção feminina. Suas roupas eram feitas com explosões de cores, exagero e excentricidade. A marca ficou cada vez mais famosa por ser inovadora, irreverente e pelo seu senso de humor.

Em outubro de 2013, Jeremy Scott assume o posto de diretor criativo da grife. O estilista americano estudou moda na Pratt University, no Brooklyn, em Nova York. Na faculdade, Jeremy tinha um visual irreverente (típico da era clubber), se dedicava à alfaiataria e estamparia e estagiou na Moschino. Depois de formado, mudou-se para Paris, criou sua marca homônima e fez parte de uma geração “anti-moda” dos anos 1990/2000.  É conhecido pelo estilo street extravagante e pelas coleções em parceria com a Adidas. A escolha de Scott para tomar a frente da Moschino é, justamente, graças ao seu jeito eclético e contemporâneo. Ele reinterpretou a identidade e a essência da marca, elevando seu nivel de fama e marcando com suas apresentações inspiradas em clássicos desenhos e logotipos, como o Mc Donald’s, Bob Esponja, Barbie e, mais recentemente, a Turma dos Looney Tunes.

 

E que comece a Milan Fashion Week!

Arrivederci, Beatriz Arvatti.

Compartilhe.

Sobre o Autor

Não me lembro quando foi que o universo da Moda me conquistou, as vezes eu acho que eu já nasci amando tudo isso. Hoje sou estudante de moda, mas não me peçam para desenhar ou costurar, meu negócio é escrever! Filmes antigos, anéis, Audrey Hepburn, botas, 90’s, sinceridade, bolo quente, livros, batom e assaltar o guarda-roupa da vó.

Leave A Reply