Box E-Music – Seth Troxler

0

Seth Anthony Troxler (a.k.a Seth Troxler ou, anteriormente, Thrill Cosby), é uma personalidade ímpar da cena eletrônica mundial. Nascido nos Estados Unidos, Seth mudou-se ainda jovem para a cidade de Detroit onde, desde os anos 90, vem envolvendo-se com o mundo da música, organizando suas próprias “underground parties”. Já foi considerado o DJ número 1 do mundo pelo disputadíssimo Top 100 da Resident Advisor, no ano de 2012. Atualmente, ele é o 4o colocado no ranking.

Uma de suas características mais fortes é a grande multiplicidade de vertentes que caracterizam seus Sets, marcados principalmente pelo House e Techno. Já tive a oportunidade de prestigiá-lo pessoalmente em dois momentos, e afirmo que a energia que ele transmite para a pista é realmente incrível. Seth Troxler foi um dos fundadores da respeitável label Visionquest, de Lee Curtiss, Ryan Crosson e Shaun Reeves, afastando-se em 2014 para ir em busca de sonoridades diferentes em suas próprias gravadoras. Atualmente, é dono das labels Tuskegee, Soft Touch e Play It, Say It. Seth já se apresentou nos principais Clubs e festivais do mundo, tais como Circo Loco, Sónar, Burning Man, Coachella, Warung, D-Edge, entre outros.

O DJ e produtor americano conquistou o mundo rapidamente com seu carisma, técnica, bom gosto, senso de humor e claro, muita polêmica. Em 2013, Seth aparece nu em um vídeo da Eastern Electrics Festival, comendo uma banana, bebendo vinho, e convidando o público para o evento. Sua última polêmica decorreu-se de um trecho de seu documentário “Between The Beats: Seth Troxler” (aconselho que assistam, por sinal), onde ele da um passeio pelo Main Stage do Tomorrowland, durante a apresentação do DJ holandês Dyro. Momento em que, nas palavras de Seth, está lhe ocorrendo um “estupro sonoro em meus ouvidos.”

Inevitavelmente, nós da Box E-Music não poderíamos deixar de entrevistar uma personalidade destas. Segue pra vocês, com exclusividade, uma entrevista feita com o DJ:

Olá, Seth! Conte-nos um pouco sobre a sua trajetória na carreira de DJ e produtor… Em que momento você decidiu que era isto que você queria para a sua vida?
Acredito que as pessoas nasçam destinadas a algo. Eu nasci destinado a fazer as pessoas felizes, acima de tudo. A base disso, existia uma gama enorme em áreas que eu poderia atuar para isso e a que mais me convenceu, foi ser DJ.

Seu som sempre variou entre o House e Techno, e atualmente seus Sets estão com uma pitada de Disco/Funk também. Quem foram/são suas maiores influências na música? O que mais te atrai nessas vertentes?
Cara, não tem como eu dar nome para cada um. Existe um número enorme de pessoas que me inspiram todos os dias. No ramo e nas ruas. Me inspiro com pessoas que eu vejo dançando em festa, me inspiro até no banheiro, se é que me entende. Já o que mais me atrai é a multiplicidade de sonoras que eu consigo adequar ao meu estilo. O disco/funk como você se refere sempre foi a minha vibe, só olhar para minha cara.

Atualmente, qual é o setup que você mais gosta de utilizar em suas GIGs? E para a produção musical… O que você acha indispensável para que um produtor consiga criar algo de qualidade?
Uma mistura de diversas coisas. Um Rack de Synth, Ableton, Maschine, alguns controladores e um bom teclado para tocar um som ao vivo. Indispensável é ter uma criatividade boa, estar aberto para novos conhecimentos e ao invés de desmaiar bebendo nas festas, prestar atenção nos DJs que estão em ação. A percepção é mais importante do que os aparelhos e a tecnologia. Só se coloca em prática em tais ferramentas após construir na mente.

Há algum projeto novo em que você está trabalhando atualmente? Seja como DJ, produtor, empresário…?
Então, sempre estou na atividade, em busca do novo. Mas não existe nenhum EP ou algo surpreendente que eu esteja trabalhando. Continuo me arriscando na cozinha, comendo e fazendo o que eu amo, tocar e dar umas curtidas na internet. lol

Você considera que o mundo “underground” da e-music está vivendo a sua melhor fase? Você acha que isso se deve a que?
Acredito que esteja sendo um grande ano para a cena, principalmente aí no Brasil. País pelo qual tenho um grande número de seguidores e uma consideração imensa. A receptividade e o número de pessoas que me acompanham freneticamente é uma prova disso. Não que eu seja o Deus da e-music, mas como faço parte dela, é a minha percepção.

Você já se apresentou diversas vezes nos maiores Clubs e festivais do Brasil… O que você acha do público brasileiro? Há algo que nos diferencie do resto do mundo?
O público brasileiro é fantástico. Ele se entrega à música. Acho que o que se faz de diferença é a intensidade na dança e a entrega na pista. Povo brasileiro é foda!

Sobre o seu polêmico vídeo em que você aparece nu no colab com a Eastern Electrics… Foi ideia sua? Como os fãs e o mundo da e-music reagiram?
Ah, merda! Que vergonha.

Você é dono de um resturante em East London, África do Sul, chamado Smokey Tails. Este sempre foi um sonho seu? Como surgiu a ideia?
Ah, sou gordo. Eu sempre fui apaixonado por gastronomia. Sou tão grato por ter a oportunidade de conhecer o mundo e me aventurar na culinária. Inclusive, sou apaixonado por churrasco Brasileiro e também um arroz temperado, muito saboroso!

Se você pudesse fazer um b2b com algum DJ, vivo ou morto… Quem você escolheria?
Acho que já fiz, Jamie Jones. Meu brother! Ah, Dubfire também.
São tantos que sonho em atuar juntamente. Mas creio que com Richie Hawtin e Sasha são dois talentos que eu gostaria de trabalhar junto, nem que fosse por alguns minutos.

Conecte-se com o Seth: Facebook | Soundcloud | Twitter | YouTube | Beatport | Resident Advisor

welovedeep

Compartilhe.

Sobre o Autor

CEO do Explosive Box e Publicitário, louco por qualquer tipo de arte que me encante. Também sou editor-chefe das colunas de Moda e Música.

Leave A Reply