Vem aí: “Três Gerações”

0

Antes de começar a falar desse filme maravilhoso, gostaria de falar sobre a geração Fanning. Após Dakota Fanning, a jovem menina que foi/é considerada uma das maiores atrizes jovens do mundo, o mundo do cinema abraça sua irmã mais nova, Elle Fanning – que diga-se de passagem, vem dando um tapa na cara da sociedade com seus papéis impactantes. Apesar da sua pouca idade, a menina não tem limites e vem dando um show de interpretação, de emoção, de envolvimento com o papel. Dizem que o ator é bom quando o lembramos mais por nome de seus personagens do que pelo seu próprio nome. É isso que vem acontecendo com esta talentosa menina.

O filme Três Gerações vem com um assunto que está bastante evidente no mundo e principalmente no Brasil, a transexualidade. Um assunto que algumas pessoas levam como algo normal e outras muitas evitam e tem total repúdio ao assunto, o que é desprezível. Acreditamos que a tolerância é algo básico no ensinamento e nas atitudes de uma pessoa, porém, algumas tem, outras não. O filme trará essa tolerância e a não tolerância dentro de uma única família, a de Ray, interpretado por Elle. Ray nunca se identificou com seu gênero de nascença, o que é muito normal entre as pessoas. Sim, É NORMAL! Desde pequena ela apresentou atitudes diferentes até que quando chegou a adolescência decidiu começar uma transformação, que afetaria a vida dela e da sua família.

Quando essa transformação começa, os conflitos familiares surgem, mas de forma muito importante para a concretização. A mãe de Ray aceita com facilidade, porém, se preocupa de como a filha será aceita pela sociedade. Um fato curioso é que a avó dela é lésbica e ela que deveria dar total apoio, não aceita a neta se transformar. Para deixar a história ainda mais conflituosa, o pai é uma pessoa completamente ausente na vida dessas três gerações de mulheres e ainda se opõe a situação e ainda rejeita assinar os papéis para a readequação de gênero dela.

Ora, um pai que nunca foi presente na vida da menina, que tem por obrigação pelo menos compreender o filho e suas complexidades, de um dia para o outro resolve tomar as rédias da situação de forma ignorante e pejorativa? Não! Ray, corajosa, segue sua luta e em busca de sua adequação, em busca de sua felicidade.

O filme promete orientar e mostrar conflitos entre as famílias nesses casos. Porém, de forma passiva e sem agressões agravantes. Mas a real é que todo mundo sabe, que a taxa de assassinatos a pessoas transsexuais e homossexuais vem crescendo cada dia mais. Uma sociedade que tem uma grande porcentagem de pessoas que agem como animais contra uma sociedade que aceita todo o tipo de amor, que só espalha amor e a tolerância. Essa “guerra” sai para fora das telonas de forma mais agravante. Porém, Três Gerações promete dar um toque super importante.

3 de dezembro, nos melhores cinemas brasileiros.

Compartilhe.

Sobre o Autor

CEO do Explosive Box e Publicitário, louco por qualquer tipo de arte que me encante. Também sou editor-chefe das colunas de Moda e Música.

Leave A Reply