– Nem – Tudo sobre Kurt Cobain

0

Não, hoje não é dia do rock, da música ou do cinema (embora todo dia devesse ser, sim, dia de celebrar essas maravilhas!) . Em verdade, comemora-se hoje o dia do capoeirista – !!! – (a gente também não sabia!). A questão é que – parabéns, aliás, a todos os representantes dessa riquíssima expressão cultural brasileira! – não há um tempo sequer em que não seja relevante reaquecer os ânimos em relação ao que anda explodindo em arte e genialidade por aí, certo? Sobretudo envolvendo a existência polêmica e – sempre narrada – do curioso caso da loucura de Kurt Cobain.

2014 foi ano das duas décadas sem o líder da banda Nirvana. 2014 foi também o ano em que a polícia de Seattle reabriu momentaneamente o caso de sua morte – decidido até então como suicídio – e as efervescentes questões acerca das questionáveis e possíveis causas dela. 2015, por outro lado, premiou o mundo de fãs desse líder com dois registros adorados, odiados, aclamados e discutidos (discutíveis?) acerca de sua história: de “Soaked in Blech”, lançando em 11 de Junho, a “Cobain: Montage of Heck”, lançando  sete dias seguintes (oh, overdose de excitação!), em 18 do mesmo mês portanto, ambos nos Estados Unidos primeiramente, Cobain encontra-se contado e eternizado. Resultado de depoimentos, narrações e cenas produzidas, o primeiro traduz-se no filme acerca das faíscas reacesas pelo detetive particular Tom Grant, defensor assíduo e incansável da teoria de que Cobain foi assassinado pela então parceira Courtney Love. O segundo, assumindo o papel de um documentário – autorizado e oficial -, produzido colaborativamente em oito dedicados anos, reúne a riqueza de todo um acervo pessoal inédito, forte e tocante sobre a vida e a carreira do músico, retratando – acredita-se – intimamente a sua trajetória, a sua relação com as drogas e com o conturbado e mútuo amor. Recheado de fluidez lírica, feito as páginas de seu perturbado e incompreendido diário, feito uma dança, a Rolling Stone fez questão de considerá-lo o documentário mais intimista da história do rock.

Amados ou não, tesouros ou não, estão aí. Ainda borbulhando. Refazendo imaginações, inspirações, essências… e saudades.
Quem já viu? História ou estória?

kurt

 

Compartilhe.

Sobre o Autor

Filha dos anos 90, estudante e amante de Psicologia, sangue e calor paraibanos. Socorro-me da alma pra (sobre)viver. Por isso escrevo. Por isso meus tantos eus e cás comigo...

Leave A Reply