Os melhores livros de John Green, parte II

0

Como havia prometido no post anterior (Os melhores livros de John Green, parte I) falarei, hoje, sobre os outros dois livros seus que considero entre os melhores: Quem é você, Alasca? (Looking For Alaska) e Will Grayson, Will Grayson (com David Levithan).

Quem é você, Alasca?

Impulsiva, misteriosa, sexy, inteligente e com um humor muito variado, é mais ou menos assim que Miles Halter (conhecido também como gordo) vê Alasca Young. Miles, é um garoto sem muitos amigos, razoavelmente normal, a não ser pela sua obsessão pelas últimas palavras que pessoas famosas dizem antes de morrer. Ele está cansado de sua vida, e por considera-la sem graça, decide que está na hora de uma mudança, assim, resolve ir para o colégio interno que seu pai estudou, em busca do “Grande Talvez”, palavras ditas pelo poeta François Rebelais. Ao chegar no internato, Miles conhece Coronel, seu novo colega de quarto, além de Takumi, Lara e Alasca Young. A partir de então, sua vida é virada de ponta cabeça e tudo aquilo que ele julgava certo, está prestes a ser mudado. Durante sua estadia no internato, percebe que nunca teve amigos tão fiéis como os que fez, além de passar por novas experiências e rebeldias, desafiando a maior autoridade da escola com suas artimanhas, fazendo coisas que nunca havia imaginado. Ele está fascinado com tudo o que está acontecendo e então, o fenômeno Alasca Young acontece. A garota tem algo diferente, ela consegue se importar e não se importar com as coisas ao mesmo tempo, protege seus amigos acima de tudo, mas tem um segredo que nunca revelou, até então. Assim, se vê perdidamente obcecado por conquistar o coração de Alasca, porém, toda atitude tem uma consequência e Miles aprende isso como ninguém. O livro é dividido em duas parte: Antes e Depois, deixando um suspense desde então. E claro, não poderia deixar de faltar uma lição de vida e uma dúvida: quem você (realmente) é, Alasca?

Processed with VSCOcam with f2 preset
“Como sair desse labirinto de sofrimento?”

Will Grayson, Will Grayson

Eles não têm nada em comum, a não ser o nome, Will Grayson. O primeiro Will Grayson é um garoto tímido que tenta se manter afastado do mundo, como se ele pudesse não se importar com ninguém apenas por ter decidido não se importar. Ele tem um grande (literalmente) e extravagante amigo, Tiny Cooper. Tiny é gay assumido e seu principal objetivo, no momento, é tirar do papel um musical, escrito, dirigido e estrelado por ele, cujo tema principal é, bem… ele, é claro. Com isso, Will tenta sempre não chamar muita atenção por onde passa, sendo uma tarefa difícil já que seu melhor amigo, Tiny, deseja sempre ser o centro das atenções. O segundo Will Grayson é homossexual, não assumido até então, lida com a depressão após o abandono de seu pai e tem uma amiga (ou quase isso) chamada Maura. Para passar por tudo isso, ele utiliza seu humor, bastante ácido e  utiliza a internet como refúgio, trocando mensagens com Isaac, um garoto que conheceu e que sonha um dia poder encontra-lo. Assim, como ambos possuem diferentes personalidades, para diferencia-los no decorrer do livro, suas narrativas são escritas de formas diferentes, fazendo jus a personalidade de cada um. O que será que aconteceria se o destino os unisse? Será podemos chamar esse encontro de “destino”? Quando os” Wills” se encontram, a vida de ambos é afetada um pelo outro e assim, as narrativas se misturam de uma maneira tão natural que os “Wills” praticamente se tornam um só. Com isso, ambos buscam saber quem realmente são, além de repensarem seus atos até então. Interessante, engraçado e emocionante, a história de dois “mundos” que se colidem, criando algo incrível.

Processed with VSCOcam with f2 preset“agora eu entendo. eu entendo. as coisas que você mais quer são aquelas que te destroem no fim”.

(sim, a frase não está com letras maiúsculas, ela faz parte de uma narrativa do livro e está dessa maneira porque… bem, vocês terão que ler para entender!)

Curtam a nossa FAN PAGE!

Compartilhe.

Sobre o Autor

CEO do Explosive Box e Publicitário, louco por qualquer tipo de arte que me encante. Também sou editor-chefe das colunas de Moda e Música.

Leave A Reply